O Profeta da Misericórdia Site

Liga do Mundo Islâmico - Organização Mundial para Apresentar e Apoiar o Mensageiro de Deus

As necessidades da Humanidade na missão do Profeta Muhammad

Muhammad (Deus o abençoe e lhe dê paz), através da revelação vinda de Deus (cujo nome próprio no idioma Árabe é “Allah”) [1], transferiu a humanidade da obediência e submissão a outros seres humanos para a adoração e submissão a Allah, o Exaltado[2], somente, nada associando a Ele . Consequentemente, a humanidade se libertou da servidão a qualquer outro que não Allah e essa é a maior honra a ela concedida.

A condição que prevalecia antes da missão do Profeta Muhammad (Deus o abençoe e lhe dê paz) era um sistema de classes baseado em lealdades tribais, supremacia financeira e escravidão. Os líderes ricos e influentes eram mestres a serem obedecidos e servidos, enquanto os pobres e “de cor” (na maioria, negros) eram servos e seguidores submissos. Escravos não eram mais do que propriedade material que se podia possuir, comprar, vender ou doar sem qualquer consideração no que tangia a separar pais e filhos ou esposo e esposa.

Os mestres da sociedade impunham seus costumes e condições quanto à legislação, obrigando as pessoas a se submeterem a eles. Eles haviam se posicionado como rivais da autoridade do único Deus verdadeiro, enquanto somente Ele é digno de adoração e obediência. Todas as pessoas, sejam negras, brancas, ricas, pobres, nobres ou escravos, devem estar sujeitas somente à autoridade de Allah e Seu julgamento. É para esse propósito que Ele enviou Seu Profeta, Muhammad, com a mensagem do Islam conforme representado no testemunho: “Não há divindade (verdadeira) exceto Allah, e Muhammad é o Mensageiro de Allah”.

O Paganismo era praticado na forma da adoração de ídolos, a adoração de estátuas, árvores e pedras. Em contraste, o Profeta Muhammad (Deus o abençoe e lhe dê paz) convidou as pessoas a aceitarem a unidade de Deus e sua majestade, sua Divindade e Seu direito à única adoração e obediência. Pois Ele disse no Alcorão:

“Oh, humanidade, adorai ao Vosso Senhor, que vos criou e àqueles antes de vós, para que vos tornásseis íntegros.” (2:21)

E Ele disse:

“Oh, povo, um exemplo lhes é apresentado, então ouvi! Em verdade, aqueles que invocais em vez de Allah não criarão jamais sequer uma mosca, mesmo que se reúnam todos para isso. E mesmo que a mosca lhes roubasse uma coisa (ínfima), eles não a recuperariam. Fracos são o perseguidor e o perseguido.” [3](22:73)

 

Um dos companheiros do Profeta (Deus o abençoe e lhe dê paz) descreveu a transformação que o Islam trouxe à vida dos Árabes, da desonra e escravidão para a honra e a dignidade; como eles deixaram a escuridão da servidão a pessoas para a adoração somente de Allah . Isto lhes permitiu notar o verdadeiro escopo e capacidade deste mundo. Como Rab’i ibn ‘Amir [4] disse quando se dirigiu a um general Persa,

“Allah nos enviou para libertar quem quer que o deseje, da adoração de Seus servos para a adoração de Allah , da restrição deste mundo à sua vastidão e da tirania de outras religiões à justiça do Islam.” [5]

O pensador francês Etienne Denier (que tomou o nome de “Nasiruddin”) no seu livro intitulado “Muhammad (Deus o abençoe e lhe dê paz), o Mensageiro de Allah ” sobre o equilíbrio, a universalidade e o possível papel futuro da mensagem divina, diz:

“Algo muito importante é a ausência de um intermediário entre a pessoa e seu Senhor. Isto é o que as pessoas de mente prática encontram no Islam, devido à sua característica de ser livre mistérios e adoração de santos. Ele não tem necessidade de templos ou altares, pois todo o mundo é lugar adequado para a adoração de Deus. Além disso, alguns daqueles que acreditam em Deus, enquanto expressam aspirações mais elevadas, encontram no Islam uma perspectiva pura em relação à crença em Deus. Nele eles encontrarão os mais extraordinários e sublimes atos de adoração e inimagináveis expressões de súplica”.[6]

 

--------------------------------------------------------------------------------

[1] O significado de Allah é “o único Deus” que é o único digno de adoração. Muçulmanos usam este nome em todo o mundo sem distinção de idioma pátrio.

[2] Deste ponto em diante, o símbolo Árabe será usado em vez de “o Exaltado”.

[3] Uma comparação é feita entre o adorador de uma falsa divindade e aquilo que ele adora.

[4] Que Allah se agrade dele; ( ) esse símbolo Árabe será usado daqui em diante.

[5] Ibn Kacir, Al-Bidayah wan-Nihayah, 39/7.

[6] Muhammad, o Mensageiro de Allah, p. 362-363.